Tipos de Caminhão

Nesta matéria vamos apresentar os diferentes tipos de caminhões, suas especificações e capacidades, começando pelos pequenos veículos urbanos de carga, utilizado dentro de centros urbanos, até os grandes caminhões articulados que encontramos em rodovias, utilizados para transporte de grandes quantidades de carga por longas distâncias.

O CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) limita o peso máximo por eixo que pode ser carregado pelos veículos. Este limite deve-se ao fato que quanto maior a força que os pneus aplicam sobre a camada de asfalto, maior será a degradação deste asfalto. Assim, os caminhões podem levar muito peso, desde que ele esteja distribuído por vários eixos (maior número de rodas para distribuir o peso da carga).

Confira os tipos de caminhões e algumas especificações:

Veículo Urbano de Carga (VUC): O VUC é o caminhão de menor porte, mais apropriado para áreas urbanas. Esta característica de veículo deve respeitar as seguintes características: largura máxima de 2,2 metros; comprimento máximo de 6,3 metros e limite de emissão de poluentes.  A capacidade do VUC é de 3 toneladas.

Toco ou caminhão semi-pesado: caminhão que tem eixo simples na carroceria, ou seja,  um eixo frontal e outro traseiro de rodagem simples. Sua capacidade é de até 6 toneladas, tem peso bruto máximo de 16 toneladas e comprimento máximo de 14 metros.

Truck ou caminhão pesado: caminhão que tem o eixo duplo na carroceria, ou seja, dois eixos juntos. O objetivo é poder carregar carga maior e proporcionar melhor desempenho ao veículo. Um dos eixos traseiros deve necessariamente receber a força do motor. Sua capacidade é de 10 a 14 toneladas, possui peso bruto máximo de 23 toneladas e seu comprimento é também de 14 metros, como no caminhão toco.

Carretas: são uma categoria em que uma parte possui a força motriz (motor), rodas de tração e a cabine do motorista e a outra parte recebe a carga. A parte motriz recebe o nome de cavalo mecânico, e este pode ser acoplado a diferentes tipos de módulos de carga, chamados de semi-reboque. Veja abaixo alguns modelos

Cavalo Mecânico ou caminhão extra-pesado: é o conjunto formado pela cabine, motor e rodas de tração do caminhão com eixo simples (apenas 2 rodas de tração). Pode-ser engatado em vários tipos de carretas e semi-reboques, para o transporte.

Cavalo Mecânico Trucado ou LS: tem o mesmo conceito do cavalo mecânico, mas com o diferencial de ter eixo duplo em seu conjunto, para poder carregar mais peso. Assim o peso da carga do semi-reboque distribui-se por mais rodas, e a pressão exercida por cada uma no chão é menor.

Carreta 2 eixos: utiliza um cavalo mecânico e um semi-reboque com 2 eixos cada. Possui peso bruto máximo de 33 toneladas e comprimento máximo de 18,15 metros.

Carreta 3 eixos: utiliza um cavalo mecânico simples (2 eixos) e um semi-reboque com 3 eixos. Possui peso bruto máximo de 41,5 toneladas e comprimento máximo de 18,15 metros.

Carreta cavalo trucado: utiliza um cavalo mecânico trucado e um semi-reboque também com 3 eixos. Possui peso bruto máximo de 45 toneladas e comprimento máximo também de 18,15 metros.

Bitrem ou treminhão: é uma combinação de veículos de carga composta por um total de sete eixos, que permite o transporte de um peso bruto total de 57 toneladas. Os semi-reboques dessa combinação podem ser tracionados por um cavalo-mecânico trucado.

Rodotrem: é uma combinação de veículos de carga (dois semi-reboques) composta por um total de 9 eixos que permite o transporte de um peso bruto total de 74 toneladas. Os dois semi-reboques dessa combinação são interligados por um veículo intermediário denominado Dolly. Essa combinação só pode ser tracionada por um cavalo-mecânico trucado e necessita de um trajeto definido para obter Autorização Especial de Trânsito (AET).

O bitrem é um conjunto que possui duas articulações (quinta-roda do caminhão e a quinta-roda do semi-reboque dianteiro) e o rodotrem é um conjunto que possui três articulações (quinta-roda do caminhão, engate dianteiro do dolly e quinta-roda dodolly).

Fonte

Tipos de Madeira

Madeiras do Brasil

ANGELIM-PEDRA (Hymenolobium)
CARACTERÍSTICAS: cerne marrom-amarelado claro, diferente do alburno marrom-claro. Tem um acentuado aspecto fibroso na figura tangencial, devido à proeminência do parênquima axial, fibras e linhas vasculares, granulação ondulada, textura áspera, sem brilho e sem odor característico.

ALGUMAS APLICAÇÕES: fácil para trabalhar, construção civil, os móveis têm um bom acabamento e são muito duráveis

DENSIDADE: madeira de densidade média, com 13% de umidade tem 785 kg/m 3, verde tem 1.210 kg/m3 , seca muito rapidamente.

CEDRO (Cedrela Odorata)
CARACTERÍSTICAS: cerne cor-de-rosa escuro, alburno cor-de-rosa claro, gosto amargo, odor aromático, granulação ondulada, sem brilho ou brilho moderado.

ALGUMAS APLICAÇÕES: móveis, compensados, caixilhos, construção naval, trilhos para janelas, muito fácil para trabalhar com jato de areia, broca e plaina.

DENSIDADE: madeira de densidade média, com 13% de umidade tem 485 kg/m 3, verde tem 635 kg/m 3 , fácil de secar, seca rapidamente ao forno ou ao ar livre.

CEREJEIRA (Amburana Caerensis)
CARACTERÍSTICAS: odor aromático e gosto amargo, granulação encadeada, textura média, brilho moderado, cerne e alburno marrom-amarelados claros.

ALGUMAS APLICAÇÕES: móveis, cadeiras, artigos para decoração, armários, portas e outros.

DENSIDADE: madeira de densidade média, com 13% de umidade tem 610 kg/m 3, verde tem 895 kg/m 3 , seca rapidamente ao forno e muito devagar ao ar livre.

CUMARU (Dipteryx Odorata)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, cerne marrom-amarelado, alburno marrom.

ALGUMAS APLICAÇÕES: construção de interiores e exteriores, material para soalho, resistente a fungos, carunchos marinhos, construção naval, tornearia.

DENSIDADE: madeira densa, com 13% de umidade tem 1.070 kg/m 3, verde tem 1.300 kg/m 3 , seca muito devagar ao ar livre e um pouco mais ligeiro ao forno.

CURUPIXÁ (Micropholis Venulosa)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, granulação ondulada, cerne marrom-claro, alburno marrom-claro.

ALGUMAS APLICAÇÕES: móveis, compensados, construção civil, fácil para trabalhar, tornear, tem um bom acabamento.

DENSIDADE: madeira de densidade média, com 13% de umidade tem 805 kg/m 3, verde tem 1.235 kg/m3, seca muito rapidamente ao forno ou ao ar livre.

GOIABÃO (Pouteria Pachycarpa)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, cerne e alburno amarelo-claros, granulação lisa ou encadeada.

ALGUMAS APLICAÇÕES: material para soalho, móveis, compensados, uniforme para ser trabalhada e dar acabamento

DENSIDADE: madeira densa, com 13% de umidade tem 935 kg/m 3, verde tem 1.215 kg/m 3, seca muito devagar ao ar livre e um pouco mais ligeiro ao forno.

IPÊ (Tabebuia)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, alburno amarelo, cerne verde-oliva escuro, às vezes marrom-escuro, granulação encadeada, textura média.
ALGUMAS APLICAÇÕES: material para soalho, construção civil, caixilhos e quadros de portas, altamente resistente, excelente para perfurar com broca ou jato de areia.
DENSIDADE: madeira altamente densa, com 13% de umidade tem 1.103 kg/m 3, verde tem 1.315 kg/m 3 , seca rapidamente ao forno ou ao ar livre.
 
JATOBÁ (Hymenaea Courbaril)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, cerne marrom-escuro, alburno marrom-claro, granulação encadeada, textura média.

ALGUMAS APLICAÇÕES: material para soalho, construção civil, caixilhos e quadros de portas, altamente resistente, vigas, lascas, cortes transversais, muito bom acabamento, artigos esportivos, instrumentos musicais.

DENSIDADE: madeira altamente densa, com 13% de umidade tem 921 kg/m 3, verde tem 1.275 kg/m 3 , seca rapidamente ao forno ou ao ar livre.

LOURO-VERMELHO (Nectrandra Rubra)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, alburno e cerne marrom-amarelados claros, granulação encadeada, textura média.

ALGUMAS APLICAÇÕES: móveis, construção civil, caixilhos e quadros de portas, altamente resistente

DENSIDADE: madeira de densidade média, com 13% de umidade tem 690 kg/m 3, verde tem 1.100 kg/m3 , seca devagar ao forno e ao ar livre.

MARUPÁ (Simarouba Amara)
CARACTERÍSTICAS: cerne e alburno cor-de-palha indistintamente, granulação lisa, textura média, brilho moderado.

ALGUMAS APLICAÇÕES: fácil para trabalhar, cola bem, pode ser usada em móveis, instrumentos musicais, é muito boa para molduras.

DENSIDADE: madeira de densidade média, com 13% de umidade tem 445 kg/m 3, verde tem 1.155 kg/m3, seca muito rapidamente ao forno ou ao ar livre.

MASSARANDUBA (Manilkara Elata)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, cerne marrom-escuro, alburno marrom-amarelado claro, granulação lisa, brilho moderado, textura fina.

ALGUMAS APLICAÇÕES: construção civil, material para soalho e outros, muito resistente.

DENSIDADE: madeira altamente densa, com 13% de umidade tem 1.010 kg/m 3, verde tem 1.320 kg/m3 , seca rapidamente ao forno ou ao ar livre.

MUIRACATIRA (Astrnium Lecointei)
CARACTERÍSTICAS: faixas vermelho-escuras, granulação ondulada ou levemente encadeada, brilho moderado, gosto e odor característicos.

ALGUMAS APLICAÇÕES: construção em interiores e exteriores, muito durável, fácil de perfurar com jato de areia, broca, aplainar, serrar, colar, folhear, dá uma superfície muito lustrosa.

DENSIDADE: madeira densa, com 13% de umidade tem 945 kg/m 3, verde tem 1.225 kg/m 3, seca muito rapidamente ao ar livre ou ao forno.

PAU-AMARELO (Euxylophora Paraensis)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, cerne e alburno amarelos, textura média.

ALGUMAS APLICAÇÕES: móveis, construção naval, fácil de tornear, de perfurar a jato de areia ou broca, dá uma superfície muito lustrosa.

DENSIDADE: madeira de densidade média, com 13% de umidade tem 835 kg/m 3, verde tem 1.225 kg/m3, seca muito rapidamente ao forno.

PAU-MARFIM (Agonandra Brasiliensis/Balfourodendron Riedelianum)
CARACTERÍSTICAS: granulação encadeada, textura fina, sem odor ou gosto característicos, cerne branco-amarelado, alburno amarelo-claro, brilho moderado.

ALGUMAS APLICAÇÕES: móveis, material para soalho, cadeiras, quadros e outros. Fácil para trabalhar, bom acabamento.

DENSIDADE: madeira altamente densa, com 13% de umidade tem 795 kg/m 3, verde tem 1.015 kg/m 3 seca rapidamente ao forno ou ao ar livre.

PEQUIÁ (Caryocar Villosum)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, cerne e alburno marrom-claros, granulação encadeada, textura média.

ALGUMAS APLICAÇÕES: material para soalho, móveis, construção civil e naval, caixilhos e quadros de portas, uniforme para ser trabalhada e para dar acabamento.

DENSIDADE: madeira com densidade média, com 13% de umidade tem 790 kg/m 3, verde tem 1.210 kg/m 3 , seca muito devagar ao forno e ao ar livre.

PINUS (Pine)
 
SUCUPIRA (Bowdichia Nitida)
CARACTERÍSTICAS: sem odor ou gosto característicos, cerne marrom-escuro, alburno cinza-amarelado, granulação encadeada.

ALGUMAS APLICAÇÕES: material para soalho, construção civil, caixilhos e quadros de portas, altamente resistente, vigas, lascas, cortes transversais.

DENSIDADE: madeira altamente densa, com 13% de umidade tem 1.101 kg/m 3, verde tem 1.310 kg/m 3 , seca rapidamente ao forno, mas com muita dificuldade ao ar livre.

Fonte


 Madeiras Industriais

 Compensado
– Uma das maneiras em que pode ser encontrado é a de uma placa (de ótima resistência) formada por folhas de madeiras coladas umas às outras.
Importante notar que os veios das folhas devem ser sem-pre dispostos em direções cruzadas uns aos outros, visando equilibrar tensões e reduzir riscos de empenamento.
Ademais, existe também o compensado tipo sarrafeado com miolo maciço.
As madeiras utilizadas nos compensa-dos em geral são pinho, cedro ou jequitibá.

MDF
– O MDF (Medium Density Fiberboard) é uma chapa de fibra de média densidade, na qual, por um processo de alta temperatura e empre-go de pressão, fibras de madeira são aglutinadas por resinas sintéticas.
Para a obtenção das fibras, a madeira é cortada em pequenos cavacos que, em seguida, são triturados por equipamentos denominados desfibradores.
Basicamente, utiliza-se o pinus reflorestado e selecionado para confecção de tais painéis.

MDF ou Compensado?
– Para oferecer um trabalho de qualidade, é precisa saber quais materiais devem ser utilizados para a sua perfeita realização. É importante conhecer muito bem suas características.

O MDF revestido com melamina ou o compensado revestido com Formica®? Para decidir temos que conhecer as vantagens destes materiais, primeiramente de seus substratos:

 Compensado Sarrafiado x MDF

Para se manter as características originais da madeira recomendamos o compensado sarrafiado, já que este material não passa por processos de trituração pelo qual passa o MDF. O compensado sarrafiado ainda apresenta:

Maior resistência à umidade;
Material mais leve (não necessita de ferragens especiais);
Maior aderência de pregos e parafusos;
Menor grau de empenamento.

Compensado Laminado x MDF

As vantagens de se trabalhar com o compensado laminado são praticamente as mesmas do compensado sarrafiado. Por ter em sua composição lâminas de madeira montadas de forma cruzada, proporciona maior resistência quando utilizado, por exemplo, como prateleira, suportando assim mais peso do que o MDF, apresentando menor deformação.

Detalhe: Estar sempre atento à qualidade do compensado, que varia conforme o fabricante. Estes dois tipos de compensados, se revestidos com laminados Formica®, apresentam uma resistência superficial dez vezes maior do que se usarmos o MDF revestido com melamina. Por isso, na hora de executar um trabalho, avalie bem qual tipo de produto você irá usar..

 Aglomerado
– Trata-se de chapas homogêneas (sem veios ou nós) com excelente resistência ao empenamento, resultantes de partículas de madei-ras impregnadas com resinas sintéticas sob a ação de pressão e de calor.
Não raro, o aglomerado pode ser observado revestido com lâminas de madeiras nobres (como o mogno, por exemplo), bem como com folha de papel e resina melamínica.

A estrutura de suporte das telhas!

ESTRUTURAS DE MADEIRA

A armação é a parte estrutural, constituída pelas tesouras, cantoneiras, escoras, etc… e a trama é o quadriculado constituído de terças, caibros e ripas, que se apoiam sobre a armação e por sua vez servem de apoio às telhas.

Madeiras mais utilizadas em estruturas:

Podemos utilizar todas as madeiras de lei para a estrutura de telhado, no entanto a peroba tem sido a madeira mais utilizada.

Algumas espécies de madeiras indicadas para a estrutura de telhado (IPT)

A
B
C
amendoim
canafístula
guarucaia
jequitibá branco
laranjeira
peroba rosa
angelim
cabriúva parda
cabriúva vermelha
caovi
coração de negro
cupiuba
faveiro
garapa
guapeva
louro pardo
mandigau
pau cepilho
pau marfim
sucupira amarela
anjico preto
guaratã
taiuva

As madeiras da Tabela acima estão divididas em grupos segundo as suas características mecânicas.
A cabreúva vermelha, coração de negro, faveiro, anjico preto, guaratã e taiuva têm alta dureza, portanto devemos ter cuidado ao manuseá-las.

As madeiras serradas das toras já são padronizadas em bitolas comerciais. No entanto, existem casos onde o dimensionamento das peças exigem peças maiores ou diferentes, assim sendo deve-se partir para seções compostas.

 – vigas: 6 x 12cm ou 6 x 16cm, comprimento 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 4,5; 5,0m

– caibros: 5 x 6cm ou 5 x 7 (6 x 8)cm, comprimento 2,5; 3,0; 3,5; 4,0; 4,5; 5,0m

– ripas: 1,0 x 5,0cm; geralmente com 4,50m de comprimento e são vendidas por dúzia.

Obs. Para bitolas diferentes ou comprimentos maiores, o preço da peça aumenta.

Peças metálicas

As peças metálicas utilizadas em estruturas de telhado são os pregos, os parafusos, chapas de aço para os estribos e presilhas.

Os pregos mais utilizados são:

– 22 x 42 ou 22 x 48 – para pregar as vigas

– 22 x 42 ou 19 x 39 – para pregar os caibros

– 15 x 15 – para pregar as ripas.

Elementos e terminologia das madeiras usadas!

Nem sempre temos o conhecimento ou a intimidade com material de construção.
Em se tratando de uma parte FUNDAMENTAL da cobertura de um imovel, é muito importante tanto na compra da madeira como em sua aplicação pratica, saber-mos os nomes corretos dados a cada parte da estrutura que suportará as telhas.

Para um bom entendimento e comunicação com o pessoal na obra aqui estão os nomes das peças que compõem um telhado:

As tesouras são muito eficientes para vencer vãos sem apoio intermediários . São estruturas planas verticais que recebem cargas paralelamente ao seu plano, transmitindo-as aos seus apoios.

Geralmente são compostas por:

– Frechal: Peça colocada sobre a parede e sob a tesoura, para distribuir a carga do telhado.(6)

– Perna: Peças de sustentação da terça, indo do ponto de apoio da tesoura do telhado ao cume, geralmente trabalham à compressão.(8)

– Linha: Peça que corre ao longo da parte inferior de tesoura e vai de apoio a apoio, geralmente trabalham à tração.(9)

– Estribo: São ferragens que garantem a união entre as peças das tesouras.
Podem trabalhar à tração ou cisalhamento.(13)

– Pendural e tirante: Peças que ligam a linha à perna e se encontram em posição perpendicular ao plano da linha. (10)
Denomina-se pendural quando a sua posição é no cume, e nos demais tirante.
Geralmente trabalham à tração.

– Asna e escoras: São peças de ligação entre a linha e a perna, encontram-se, geralmente, em posição oblíqua ao plano da linha, denomina-se asna a que sai do pé do pendural.(11)

Detalhes de ligações dos elementos – sambladuras e entalhes:

São tipos de ligações práticas entre duas peças de madeiras definidas após verificação das resistências das superfícies de contato ao esmagamento e, às vezes, ao cisalhamento de um segmento da peça (caso específico dos nós extremos da tesoura).

Tipos e medidas mais comuns das janelas

Sem duvida as janelas de madeira ainda são as mais usadas, tanto por sua beleza quanto por serem as mais baratas.

Vamos ver os modelos mais procurados e que podem ser encontrados em qualquer loja de materiais de construção!

Janela de Correr

Medidas Padrão:

1,20 / 1,40 / 1,60 / 2,00 / 2,40 x 1,20 em arco

1,20 / 1,40 / 1,60 / 2,00 / 2,40 x 1,00 reta

 

 

 

Janela Veneziana

Medidas Padrão

1.00 / 1,20 / 1,40 x 1,20

 

 

 

 

Janela Guilhotina

Medidas Padrão

1.00 / 1,20 / 1,40 x 1,20

 

 

 

 

Janela Reta


Medidas Padrão

1,20/1,40/1,60/2,00/2,40 x 1,20 arco

1,20/1,40/1,60/2,00/2,40 x 1,00 reto

Janela Basculante


Medidas Padrão:

0,60 / 0,80 x 0,80 arco

0,60 / 0,80 x 0,60 reto

 

Janelas Max-ar – Vitrô Max-Ar Duplo

Medidas Padrão:

1,20 x 0,80 arco

1,20 x 0,60 reto

 

 

  Vitrô Max-Ar Simples

Medidas Padrão:

0,60 x 0,60 arco

0,60 / 0,80 x 0,80 arco

0,60 / 0,80 x 0,60 reta

 

 Vitrô Capelinha  

Medidas Padrão:

0,45 x 0,80 / 1,00 /1,20 / 1,40 arco

0,60 x 1,00 /1,20 / 1,40 arco

0,45 x 0,60 / 0,80 /1,00 / 1,20 reta

0,60 x 0,80 /1,00 / 1,20 reta

Janela Pivotante

Medidas Padrão:

0,45 x 0,60 / 0,80 /1,00 / 1,20 reta

0,60 x 0,80 /1,00 / 1,20 reta

 

 

 

Manutenção:

Manter esquadrias de portas e janelas:

Limpe bem os trilhos e canaletas inferiores e superiores tirando todo o pó e resíduos de poeira e gordura.

Seque bem e em seguida esfregue vela ou parafina em toda a sua extensão.

Chumbamento das esquadrias

ESQUADRIAS DE MADEIRA…

A boa instalação das esquadrias é muito importante, o bom funcionamento das esquadrias depende de sua correta instalação, pois uma instalação deficiente pode comprometer todo o desempenho da esquadria e consequentemente de sua porta ou janela.

Para uma boa fixação da esquadria, é importante a existência de tacos de madeira bem chumbados na alvenaria.

Ou se preferir, para a utilização de espuma expansiva deverá ser efetuado o reguamento interno no vão.

Os tacos devem ser colocados durante a execução da alvenaria;

Colocação de contra-marcos antes da execução do reboco, pisos e azulejos;

Colocação das esquadrias externas, após o reboco e a colocação dos azulejos;

Colocação das esquadrias internas, após a colocação do piso, aplicação de massa corrida ou selador e pintura nas paredes

Não use pregos para fixar esquadrias e portas, use somente parafusos, 2 para cada taco.

De preferencia a esquadria deve ser instalada por profissional habilitado

Madeiras utilizadas

Algumas das madeiras utilizadas nas esquadrias são:  Freijó, Cedrorana, Cedro Rosa, Louro-vermelho, consideradas madeiras macias (ou leves).

Soleiras e Marcos (uso externo) ;  Ipê, Cumaru e Grápia que são consideradas madeiras duras (mais pesadas e resistentes).

Para o bom funcionamento e a durabilidade das esquadrias de madeira

A instalação dos contra-marcos não é indispensável, mas é importante e cabe ao proprietário decidir se quer ou não; pois protegem as esquadrias dos danos que podem ser causados pelas demais atividades da construção e auxilia o construtor no correto preparo do vão para receber a esquadria.

A colocação das esquadrias, deve ser executada por pessoal qualificado para tal, sob pena de comprometer o funcionamento das mesmas. Deve ser realizada preferencialmente por pessoal da fábrica.

A madeira deve receber, antes ou logo após a instalação das esquadrias, produto de proteção, que lhe confira resistência á chuva e ao sol, a fim de evitar manchas e empenamentos.

Entre a primeira demão com finalidade de proteção, e a demão final de acabamento, outras aplicações se farão necessárias, de acordo com o nível de exigência do proprietário da obra e com o tempo que demorou a construção.

Entre uma e outra demão, a superfície tem que ser novamente lixada.

Por ocasião da pintura, deve-se ter o cuidado para não pintar as ferragens, os trilhos, as borrachas e outros acessórios de vedação.

Por ocasião da colocação de vidros, utilizar preferencialmente silicone, a fim de evitar infiltrações de água e possíveis vibrações.

Na limpeza das esquadrias, não fazer uso de produtos químicos, tais como, soda, ácidos e solventes que possam danificar a madeira e ou as ferragens.

Nos cilindros das fechaduras, utilizar somente grafite em pó para sua lubrificação.

Manter limpos os trilhos, caneletas e canais de escoamento de água.

Como prevenir pragas urbanas

 Prevenir infestações

As pragas urbanas causam grandes prejuizos, e prevenir é o melhor remédio, para isso as madeiras novas devem ser protegidas com um dos vários produtos específicos existentes no mercado.

Deve ser aplicados em toda a madeira ou conjunto de madeiras (cadeiras, camas, mesas, etc.) conforme indicação do fabricante.

Aplicação normalmente feita com pincel, em todos os lados do objeto.

Trabalhe numa área ventilada, longe de crianças e animais domésticos, proteja os olhos, as mãos e vias respiratórias, estes produtos são muito tóxicos.

Prestar muita atenção ás recomendações dos fabricantes.

Fungos

Os ataques de fungos, que causam o apodrecimento da madeira, são o resultado da permanência no sol ou na chuva.
Ficar ao tempo é o principal fator para o aparecimento de grandes quantidades de fungos.
Alta umidade e calor também colaboram. Além do empenamento das madeiras pelas constantes mudanças climáticas.

A melhor solução para madeiras expostas são os vernizes, fáceis de aplicar com pincel, isolam e protegem a madeira do tempo, com grande elasticidade acompanham a dilatação retração da madeira.

A manutenção também extremamente fácil, uma vez que se aplica uma nova camada encima da anterior.
Os vernizes em geral já contém inseticidas e fungicidas.

 Brocas

As Brocas podem atacar todo o tipo de objeto em madeira e papel, fazendo verdadeiras avenidas no interior de moveis ou livros.

A indicação que o lugar esta tomado pelas brocas, é o aparecimento de quantidades de “areia” e “poeira” (de madeira) junto ao objeto infestado.

Tratamento de palanques

* Sulfato de Cobre 850 g

* Dicromato de Potássio 900 g

* Ácido Bórico 615 g

* Ácido Acético Glacial 25 mL

* Água 100 litros.

– TANQUES PARA PREPARO DA SOLUÇÃO E TRATAMENTO DO PALANQUE:
Podem ser de alvenaria, tubos de concreto, tambores e caixas de água.
Dependendo da quantidade de madeira ser tratada de cada vez.
Deverão ter altura mínima de 90 cm.

– PREPARO DA SOLUÇÃO
Dissolver os produtos na quantidade de água indicada, adicionando- os um de cada vez.
Não esquecer de agitar para uma boa dissolução.

– RECOMENDAÇÕES:
A madeira deve ser verde e roliça, cortada no mesmo dia do tratamento (24 horas), de preferência cortar no tamanho a ser utilizado e descascar- la antes do tratamento.
Usar os produtos na dosagem recomendada. O nível da solução deverá estar sempre entre 40 e 80 cm de altura.
Observar diariamente o nível da solução e, se necessário, fazer a correção sempre com a mesma dosagem dos produtos (NÃO completar com água).

– TRATAMENTO:
Colocar os mourões em pé, com a base voltada para baixo, dentro do tanque no qual é adicionado a solução.
Após 7 dias, virar os mourões e deixar mais 3 dias.
Após esta etapa, os palanques são retirados e postos para secar em local coberto e arejado por 30 a 40 dias.

– OBSERVAÇÕES:
Cortar a base dos palanques em bisel, para melhorar a absorção da solução.
A durabilidade constatada com este tratamento, para eucalipto, é de pelo menos 20 anos.

Cada kit trata em média 30 palanques.


Cupins – Na madeira seca, o cupim se instala em seu interior e uma das poucas maneiras de saber que ele esta lá é pelo aparecimento de camada de pó de madeira (parecido com areia) no chão embaixo do local da infestação. Qualquer objeto pode estar infestado pelos cupins, portas, rodapés, moveis, forros, etc.

Cupins – Na madeira úmida ou molhada (enterrada) – o cupim é mais difícil de ser descoberto, pois tanto podem ter seu ninho feito “com terra” acima como abaixo do piso, mas uma maneira eficaz é verificar se existem sinais de terra fresca, em armários de áreas úmidas como na cozinha, banheiro, área de serviço, caixas de interruptores ou tomadas, rodapés, etc.
Se for descoberta uma infestação, e a injeção do produto não for possível no local, é melhor se aconselhar com um profissional da área.

* Nos casos mais graves de “infestação” deve-se injetar o inseticida nos próprios orifícios abertos pelos insetos até ficarem saturados ou fazer vários furos com uma broca bem fininha e injetar o produto adequado, com a ajuda de uma seringa comum.

Pode-se também mergulhar por um ou dois minutos (ver indicação do fabricante) a madeira no produto. Depois espere secar bem.

Para a aplicação destes produtos a madeira deve estar limpa, seca e livre de qualquer tipo de acabamento.

Depois de dez dias, se a infestação continuar repita a operação.

O que é cupim de madeira seca?

Os cupins de madeira seca se estabelecem diretamente no interior da madeira, não necessitando do contato com o solo ou com umidade, já que estão adaptados para sobreviver do alimento seco, sem fonte suplementar de umidade.

Atacam móveis e compontentes do edifício, como forros, labris etc.

Que tipo de madeira cupim não come?

Os cupins não comem as madeiras de alta durabilidade natural como a Aroeira, o Ipê, a Massaranduba, e diversas outras que são resistentes ao ataque. Em geral, as madeiras resistentes são duras e pesadas.

A durabilidade da madeira pode ser conseguida também com alguns produtos químicos que, quando aplicados, são tóxicos aos insetos.

Cupim come assoalho?

Raramente os cupins de madeira seca atacam o assoalho, pois as madeiras utilizadas em sua fabricação costumam ser duras e resistentes ao ataque.

Por outro lado, os cupins de solo podem atacar assoalhos, especialmente as peças que tem partes constituídas de alburno (brancal), que é uma região perecível da madeira, mesmo nas espécies de alta durabilidade natural.

Tratamento e Preparação da madeira:

Exterminador de Cupim trata madeiras infestadas por cupins e brocas, protege contra as infestações, tem poder de fixação e longo efeito residual, sua opção de cor marrom facilita a visualização da aplicação, disponível na versão líquida e aerossol.

É indicados na construção civil, na indústria e no lar, em portas, janelas, forros, estruturas de telhados, esquadrias e qualquer peça em madeira.
Não deve ser usado em madeiras que estejam em contato direto com o solo.

Madeiras com Acabamento:
Remova o acabamento antigo antes de usar o produto.
Depois de seco, aplicar um novo acabamento seguindo o processo de aplicação.

Tratamento Preventivo:
A madeira deve estar seca e sem acabamento, em sua forma final de uso, ou seja, lixada, entalhada, perfurada etc.

Preparação do Produto:
Pronto para uso – agite bem o produto antes de usar.

Aplicação:

Pincel:
aplique uma farta demão com pincel ou broxa em toda a madeira.
Em peças já instaladas, reforce a aplicação em encaixes, juntas e áreas de contato com alvenaria e concreto.

Imersão:
utilize tanque com calha de drenagem e tampa.
A madeira deve ficar totalmente imersa por 2 minutos e depois ser retirada e colocada na calha para drenagem do excesso do produto.
O material recolhido da calha de drenagem pode ser reaproveitado misturado ao produto do tanque.

Tanto na aplicação da versão líquida quanto da versão aerossol, bata de leve na madeira para identificar regiões ocas que apresentem infestações.
Caso não existam orifícios nestas regiões, faça um pequeno furo e aplique o produto.

Versão Aerossol:
Procure orifícios na madeira e aplique o produto acoplando o aplicador e a agulha aos orifícios.
Sature, aplicando jatos curtos.

Nota:
Em todos os processos de aplicação, recomendamos aplicar pelo menos 2 demãos.

Rendimento referencial:

– Pincel ou imersão – 5 a 8 m2 por litro/demão,

– Aerossol – Até 10 m² por litro/demão

Pode variar de acordo com a preparação da superfície, método e técnicas de aplicação e absorção da madeira .
Considerar nas aplicações à pistola maior perda do produto, devido à dispersão do produto durante a aplicação.

o que você deve saber sobre Formas de concreto


As fôrmas são caixas de madeira executadas em obras de construção civil, que servem para dar formato às estruturas de concreto garantindo o seu perfeito alinhamento e mantendo a geometria dos vários elementos de estrutura da obra, sejam estes os pilares, lajes, vigas etc.

As vezes utilizamos para fazer até simples trabalhos artesanais, porém de qualquer forma havera um tipo e um modelo diferente a seguir, é importante lembrar que para cada obra existe uma maneira adequada de se fazer as fôrmas, sempre economizando dinheiro e material.

Além do projeto necessario,deve-se prestar atenção à qualidade dos materiais ,no correto fornecimento de fôrmas e numa boa orientação tecnica junto a obra.

Formas de Madeira:

Para execução de construções de médio e pequeno porte, casas e sobrados utilizamos a tábua de pinho ou a tábua de pinús, muito própria para esse tipo de serviço além de ter um custo muito inferior ao de outros tipos de madeiras.

Ao comprarmos as tábuas de pinho ou a de pinús deveremos ficar atento a qualidade pois em seu comercio encontramos as tábuas nas seguintes modalidades:

– Tábua de pinho de 1ª qualidade= São tábuas exelentes que não tem defeitos “nós”, isto é uma madeira sem defeito algum.

– Tábua de pinho de 2ª qualidade= Também conhecida como “tipo industrial”, são tábuas que apresentam alguns defeitos “nós” porem são perfeitamente aproveitaveis nas fôrmas.

– Tábuas de pinho de 3ª qualidade= São tábuas cheias de defeitos, existem muitos nós e sua aplicação no madeiramento é feito somente uma vez.
Quanto maior for o numero de nós na tábua mais fraca ela será, pois a madeira quebrará necessariamente nesses pontos.

Costuma-se muito para a construção de casas e sobrados comprar a tábua de pinho de 2ª qualidade pois apresentam menos defeitos e quando deixam de serem usadas como fôrmas podem ainda ser reaproveitadas para construção de andaimes e outros fins.

Aliás para contrução de andaimes é aconselhavel nunca usar as tábuas de pinho de 3ª qualidade, pois conforme as informações sobre ela, ela irá se quebrar facilmente podendo causar acidentes graves.

 – Atente para as medidas das táboas de pinho:

Para a compra das tábuas de pinho devemos ficar atentos com as medidas, pois estas variam em milimetros(mm),centimetros(cm) ou até mesmo em polegadas (“).

A polegada cujo sinal(“) trata-se de uma medida estrangeira que corresponde a 25,4mm ou 2,54cm assim iremos encontar com as seguintes medidas:

– Tábua de pinho de 1″x12″= Tábua de pinho de 1 polegada de espessura por 12 polegadas de largura

– Tábua de pinho de 1″x9″= Tábua de pinho de 1 polegada de espessura por 9 polegadas de largura

– Tábua de pinho de 1″x6″= Tábua de pinho de 1 polegada de espessura por 6 polegadas de largura

– Como converter polegadas para centímetros:

A tendencia é a gradual eleminação desta medida estrangeira, pois há muita confusão na hora da compra.
O pessoal que está acostumado com a polegada sempra pede as medidas em polegadas.
Já o pessoal de agora tem o costume de pedir em centímetros, e para fazer a conversão é simples.
É o que vamos ensinar:

Sabendo que 1 polegada ” é igual a 2,54cm ou 25,4 mm:

1″=2,54cm 12″=30,48cm pois 2,54×12=30,48

Ou seja, para fazer a conversão basta multiplicar o numero em polegadas pelo valor de uma polegada que teremos o valor em centimetros, então:

Tábua de 1″x12″= tábua de 2,5cm de espessura por 30cm de largura

Tábua de 1″x9″= tábua de 2,5cm de espessura por 20 cm de largura

Tábua de 1″x6″ Tábua de 2,5cm de espessura por 15cm de largura

É comum adotar a espessura de 2,5 e falar tábua de 30,20,15.

Dicas importantes na montagem e uso das fôrmas para concreto

 As fôrmas para o concreto devem ser:

– Executadas rigorosamente de acordo com as dimensões indicadas no projeto e com a resistência necessária para não se deformar sob a ação dos esforços que vai suportar.
Isto significa que precisa resistir sob a ação conjunta do próprio peso; do peso e da pressão do concreto fresco, do peso das armaduras e das cargas acidentais.

As fôrmas usadas nas peças de grandes vãos devem ter a sobrelevação necessária para compensar a deformação inevitável sob a ação das cargas.

– Para que não haja perda de cimento arrastado pela água, é preciso que as tábuas sejam bem alinhadas e ajustadas o melhor possível.
No caso de aparecerem fendas estas devem ser vedadas cuidadosamente com ripas e sarrafos.

A ligação das tábuas que formam ângulos (arestas de vigas e de pilares, juntas de vigas com lajes,etc) devem merecer muito cuidado.
– A fôrma deve ser construída de modo que permita a retirada dos seus diversos elementos com relativa facilidade e , principalmente sem choques.
Para isso, o seu escoramento deve ser apoiado sobre cunhas de madeira ou outros dispositivos apropriados.

Ela deve ser projetada e executada de modo que permita o maior número possível de utilização das mesmas peças, e também feita com madeira aparelhada.

Na execução dos trabalhos de concreto armado, deverão ser tomadas precauções, para que a resistência e o aspecto exterior da estrutura não sejam prejudicados.

Antes do lançamento do concreto:

. As fôrmas devem ser limpas internamente, por isso devem ser deixadas aberturas denominadas “janelas/ visita” próximas ao fundo .

. Aplicar desmoldante ,para quando for fazer a desforma de um pilar não fiquem furos, arestas deformadas, faces irregulares e outras possíveis patologias.

. As fôrmas devem ser molhadas até serem saturadas, para evitar que absorvam a água do concreto necessária à liga do cimento.

. Em determinados casos, obtém-se um bom acabamento, embutindo os pregos, aplainando e lixando a madeira e posteriormente aplicando massa plástica nos locais que apresentarem irregularidades.

. As fôrmas para concreto aparente são trabalhos especiais que exigem do carpinteiro certos cuidados e muito treino e habilidade na sua construção.

Fonte

Como instalar corretamente esquadrias e vidros?

Na construção de uma casa os batentes das portas e das janelas de madeira são fixados diretamente nos tarugos chumbados nas paredes.

Esses batentes devem ser nivelados e esquadrejados, ou seja, devem obrigatóriamente estar alinhados com as as portas ou janelas que eles vão prender e nivelados em relação ao piso ou parede.

Deixe espaço para o acabamento do piso, quando marcar as soleiras das portas e a altura dos peitoris das janelas.

Parte integrante dos caixilhos com a função de permitir a entrada de luz e simultaneamente impedir a entrada de água de chuva

Pode se constituir na própria esquadria, quando for auto-suporte.

Vidros

De um modo geral, as esquadrias de madeira são entregues sem vidros.

Por diversas razões, tais como:

a) Diminuição do peso da esquadria para fins de transporte e instalação.

b) Eliminação do risco da quebra de vidros durante as fases de transporte e instalação.

Esta prática, no entanto, cria o inconveniente de repartir responsabilidades.
O vidraceiro passa a assumir uma parcela da responsabilidade no desempenho da esquadria.

Na eventual ocorrência de problemas com infiltração de água, o cliente precisa identificar qual é o responsável para o qual deverá dirigir sua solicitação de conserto, garantia e/ou manutenção.

Cuidados na instalação dos vidros

a) a instalação de vidros, assim como todo o manuseio, deve ser executado de preferência por pessoal especializado, da própria fornecedora dos vidros;

b) na instalação de vidros em esquadrias de ferro, cuidar para que antes da colocação dos vidros a esquadria seja protegida com uma tinta base (zarcão ou primer) e pintada na parte interna para evitar posterior defeito estético;

c) nas esquadrias e caixilhos, é recomendado usar massa dupla na colocação dos vidros, ou seja, a utilização de massa na parte interna e externa do caixilho;

d) usar sempre massa de vidraceiro mesmo com a utilização de baguetes;

e) depois de assentadas, as placas de vidro devem ser pintadas com X bem visível com tinta látex, devendo permanecer assim sinalizadas até a limpeza final da obra;

f) na limpeza final, evitar o uso de produtos químicos, devendo-se utilizar água limpa, detergente neutro e pano seco ou produto limpa vidros apropriado.

Baguetes de madeira

– Os baguetes de madeira tem a finalidade de fixar o vidro na esquadria, e ao mesmo tempo dar um acabamento adequado.
Mas a vedação entre vidro e esquadria é dada pela massa de vidraceiro.

– Os baguetes de madeira são ajustados na esquadria um por um, num trabalho artesanal.
Embora aparentemente sejam iguais, existem diferenças entre um e outro.
Portanto, os baguetes não podem ser trocados de lugar.

Massa de vidraceiro

Para evitar a infiltração da água da chuva, a vedação entre vidro e baguetes é feita com massa.

Além de bem colocada, sem falhas, a massa tem que ser de boa qualidade, visto que sofrerá com os efeitos das intempéries.

Melhores resultados tem sido obtidos com emprego de silicone.

 Importante:

 Para instalar o vidro, o vidraceiro deve remover cuidadosamente os baguetes.

Para maior facilidade, os pregos estão apenas apontados.

Além de recolocá-los nas mesmas posições, o vidraceiro deve pregar os baguetes em intervalos não maiores que 25 cm, e repuxar os pregos pelo menos 1 mm para dentro do baguete.

1 2